jump to navigation

Você fala – e entende – sim de política 30 de abril de 2013

Posted by Cássia Alves in My 2 cents.
Tags: , ,
add a comment

Esses dias li um negócio na Internet que me deixou um tanto preocupada: um cara cujos textos eu admiro bastante falando que não manja patavinas de política.

Li aquilo com uma certa preocupação, porque isso é mais difundido do que se pensa. Eu ainda tenho a sorte de ter amigos jornalistas no ramo, o que me fazem pensar e discutir um tanto considerável sobre a política convencional: os ministros fazendo alguma coisa, a nova pauta do Senado, etc., etc., etc. Mas a maioria da galera entende que falar de política é só assim, quando se sabe o nome de todos os deputados, ou coisas do tipo.

Mas o que cheguei à conclusão é: falamos de política a todo momento e precisamos entender isso. Quando rola a piadinha do tomate, falamos de política. Quando o trânsito está uma lástima e você reclama disso no trabalho, você fala de política. Essa aura intocável dos assuntos de Brasília, como se eles não tivessem relação com o nosso dia a dia, me deixam um pouco triste. Porque isso reafirma que todo o esforço dos nossos “líderes” (e atentem para as aspas) tem dado certo e as discussões nos âmbitos inferiores, no cotidiano da população, não acontece.

Mas, enganam-se. Existe uma pequena coisinha que nos faz viver a política de uma forma imbatível: a cidadania. Quando alguém consegue caminhar tranquilamente por aí porque tem um posto da Polícia de guarda, uma vez que denunciaram um assalto no bairro, ou até mesmo quando alguém usa a seta do carro corretamente no trânsito, a cidadania acontece. A partir do momento que as pessoas pensam no coletivo, ainda há uma certa esperança para o sucesso da sociedade.

Minha sugestão a partir de agora é: sempre diga que sim, você entende e fala de política. E faça a diferença!🙂

Quando a gente se apaixona pelo cara errado, parte final 27 de fevereiro de 2013

Posted by Cássia Alves in Crônica, Personal.
Tags: , , , ,
2 comments

(veja a parte 1 e a parte 2🙂 )

Ele se separou de mim, pediu um tempo. Eu não tive o que fazer, disse que sim… e apelei para a amizade. Que fosse o único modo da gente continuar a se ver. Assim, a gente se viu e ficou pela última vez. Com uma cerveja, no bar do lado de casa e terminando uma noite triste. Chorei, aquele dia. Porque sabia que tinha acabado.

Ou não.

Dias depois, fui trabalhar, tentar continuar a minha vida. Meu celular toca, de um número que não conhecia. Atendi. Não deveria.

Fui xingada, humilhada, mal tratada. Por ela. A noiva. Que tinha sido igualmente mal tratada, e claro, colocou a culpa em mim, o modo mais fácil – a ameaça ao lindo e perfeito relacionamento que eles tinham. Nem importava a tal briga que eles tinham tido no dia anterior à noite em que nos conhecemos. Eu era a  “vagabunda” que tinha acabado com uma linda história de amor.

O que mais me deixa perplexa quando lembro disso é a falta de amor próprio. Minha e dela. Isso não acabou por aí – eu ainda mandei muitos e-mails, xingando-o e tentando segurar um contato que não deveria ter existido. Mensagens bobas e que eu me arrependo um pouco de ter mandado – claro, se isso não tivesse me ajudado a crescer emocionalmente. E aí surgiu a frase que começou essa história. Em uma das milhões de formas de tentar me afastar dele, ele disse que tudo aquilo não tinha sido nada além de uma aventura e que era melhor não nos falarmos nunca mais.

A falta de amor próprio dela foi tentar entender essa traição: criou um MSN falso para que eu pudesse adicioná-la e quis saber detalhes do meu envolvimento com ele. Contei. Naquele estágio, não sentia mais nenhuma obrigação em guardar aquilo comigo, nem preservá-la de nada. Eles voltaram, pelo que soube um tempo depois. Ele retribuiu a humilhação que a tinha submetido, foi atrás dela – tudo aquilo que eu queria que ele tivesse feito por mim. Mas era óbvio. Ele a amava.

Depois de um tempo, tudo foi passando. Ali aprendi realmente que nada como o tempo para curar um amor não correspondido. Até que eu tive outros grandes amores e mesmo depois dele voltar a me procurar, apenas para que tivesse o ego massageado, ele percebeu que eu não estava mais ali para retribuir um sentimento que já tinha morrido.

Isso me provou situações bizarras podem mudar bastante nossa perspectiva diante das coisas. Me fez entender que eu tenho muito mais valor do que eu poderia imaginar e às vezes, as coisas simplesmente não dão certo, porque não é pra ser. Mas claro, tudo isso não me impediu de continuar a amar!❤

Quando a gente se apaixona pelo cara errado, parte 2 26 de fevereiro de 2013

Posted by Cássia Alves in Crônica, Personal.
Tags: , , , ,
2 comments

(Veja a parte 1 aqui)

E assim, pelo MSN, a gente foi se conhecendo. Aquele misto de curiosidade e mistério e vontade… e a gente marcou de se ver de novo. Fui lá pagar mico ao jogar boliche pela primeira vez. E minha amiga ia nos salvar, com um encontro duplo – aquele tipo de coisa que as amigas fazem pelas outras.

A gente se encontrou, se viu, se encantou de novo. Um segundo encontro com o mesmo encanto do primeiro. Fui mergulhando nesse encanto e comecei a ter certeza de que poderia me apaixonar por ele. E assim foi, por três semanas: o tempo em que tive um relacionamento feliz e que parecia promissor. Estava feliz com a possibilidade gostar de alguém e estar sendo correspondida naquele nível – consegui me imaginar tendo um relacionamento de gente adulta, no alto do que meus 20 anos poderiam me fazer acreditar no que seria um relacionamento maduro.

Mas claro, não era. E por incrível que pareça, não por culpa minha. Talvez, uma parcela de culpa por ter mergulhado tanto e em tão pouco tempo. Não tive muito o que fazer, também. Quando alguém aparece na sua vida, olhando dentro dos seus olhos e te prometendo uma felicidade simples, você só consegue se jogar.

Do dia para a noite, tudo desmoronou. De um encontro num show e um pedido para “darmos um tempo”, uma mensagem perdida na Internet de uma moça que se auto-entitulava “noiva”, de uma série de mensagens do Universo que me avisavam para cair fora mais do que depressa, eu só tentava entender o que se passava.

Até eu descobrir, por um acaso que minha memória não consegue mais distinguir no meio de tanta lembrança, que ele era realmente noivo da tal moça. Há seis anos. E de aliança e tudo. Aliança jogada fora horas antes daquele primeiro beijo, naquela festa que hoje nem existe mais. E a partir daí a história só melhora. (Por que claro, nada como o tempo e o desapego para você entender que sim, essa história é real, mas é uma das melhores histórias do mundo).

(continua… aqui)

Quando a gente se apaixona pelo cara errado, parte 1 25 de fevereiro de 2013

Posted by Cássia Alves in Crônica, Personal.
Tags: , , , ,
2 comments

Essa é uma história verídica. Um amor não resolvido e que foi esquecido no passado. Relembrado pelo arquivo do Twitter com  célebre frase que compartilhei com minhas amigas e eternizada pela Internet:

“Quando o cara fala que você foi só uma aventura, você pensa: meu Deus, eu dei pro Indiana Jones!”

Seria uma balada como qualquer outra. Minha amiga quis porque quis me tirar de casa: “o lugar é do lado da sua casa, não tem porque voce não ir!” Então, vamos, né? Seria uma balada como qualquer outra…

Caprichei no look. Eu, que sou a pessoa mais descuidada do mundo. Escolhi uma saia bonita, fiz uma maquiagem leve, mas caprichadinha. Estava de bom humor, em uma época despretensiosa. E lá eu o conheci.

Vi que ele me notou logo no primeiro segundo, olhou pra mim com aquela cara de bobo que todos fazem e não conseguem disfarçar (mas sempre soam como uma expressão fofinha e que derrete o coração de qualquer uma). Nos cumprimentamos e só. Depois, ele passou boa parte da noite tentando se aproximar. Ah, esses nerds sem jeito.

Foi ao som de “Enjoy the Silence” que ele conseguiu juntar toda a coragem de chegar novamente perto de mim. A gente se olhou, e quando a música entoava “All I ever wanted, all I ever needed is here, in my arms”, ele chegou mais perto… e me beijou. E foi paixão ao primeiro beijo. Terminamos a noite com uma promessa que eu saberia dele pela minha amiga.

Não deu outra. Na segunda-feira, era difícil trabalhar sem parar a cada segundo para fofocar ou tentar descobrir uma nova informação dele. Mas minha amiga pouco sabia: ele era colega de trabalho de seu primo – conexões distantes demais. Mas ela tinha o MSN. Isso já me ajudaria pelo menos a conseguir falar com ele novamente. Olha que bonitinho. E aí, a gente começou a conversar.

(continua… aqui e aqui)

Minha música favorita em 2012 14 de janeiro de 2013

Posted by Cássia Alves in Música, Personal.
Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
1 comment so far

Esse foi o ano das descobertas musicais. O ano em que ouvi muita, mas muita coisa mesmo. Muitas vezes, sem conhecer nenhuma banda nova, mas revisitar coisas que eu conhecia superficialmente e parei pra me dedicar.

A minha música favorita do ano tem a ver com isso. Em 2012, eu parei para redescobrir o soul, o jazz e o blues. E me joguei de cabeça nas cantoras desse estilo: Ella Fitzgerald, Billie Holiday, Nina Simone, entre outras. E a minha selecionada da vez: Etta James.

Eu nunca tinha parado pra prestar atenção nessa mulher. Sempre achei foda, claro. Mas cara, o que é “Something’s Got a Hold  on Me”! Essa música ficou famosa recentemente por ter ganhado uma versão repaginada e eletrônica. Mas desculpa aí:  Etta James gritando é TUDO.

Por isso, fiquem com a original aqui:

%d blogueiros gostam disto: