jump to navigation

Ponto de ônibus 26 de maio de 2010

Posted by Cássia Alves in Crônica.
trackback

Ele, um senhor. Suas roupas de décadas passadas, uma bengala, os dentes já detonados pelo tempo, e um óculos à lá John Lennon, mesmo naquela tardar da noite.

Ela, uma jovem. Roupa social, de quem emendou um dia de trabalho à jornada da faculdade. Olheiras de cansaço, um olhar perdido de quem não quer pensar em nada depois de passar o dia pensando demais.

Ele a chamou: “Mocinha”, e ela, com medo, o ignorou. Ficou com remoroso imediatamente após. Estavam sozinhos no ponto de ônibus esperando aquele último que os conduziria a seus destinos. Ela, acostumada com a cidade fria, não soube o que fazer. Apenas se afastar.

Ele não conseguiu olhá-la mais. Abaixou a cabeça, e sacudiu-a conformado. Como se aquilo acontecesse pela enésima vez durante aquele mesmo dia. Ela olhou para trás e seus olhos encheram de lágrimas. Mas não teve coragem para voltar.

Deu um passo para trás. Viu um rapaz se aproximar do senhor. Ele pediu ajuda para indicar o ônibus, que vinha vindo. O rapaz deu sinal, o motorista esperou todos embarcarem, menos o senhor. Mais uma vez, o rosto resignado.

A moça não pôde ver se o senhor foi embora. Seu ônibus chegou, e ela resignadamente, foi para casa. Mas não sem antes olhar pela janela e desejar que ele chegasse em casa tão bem e seguramente como ela.

(Ainda com o coração apertado ao escrever isso…)

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: